Número total de visualizações de página

domingo, 20 de dezembro de 2009

falência imunitária

(banhistas de Pablo Picasso-1922)
ter febre é estar muito quentinho no corpo todo e ter as palavras a pairar não dentro, mas à volta da cabeça. tudo nos passa ao lado, entre termómetros e chazinhos terapêuticos, desde que nos deixem praticar aquele desporto meditativo horizontal, a vida parece ter voltado ao seu estado mais essencial e puro: não pensar.


a linha cinzenta metálica ultrapassa os 39ºc. está deitada no sofá da mãe e começa a dizer palavras desconexas, coisas que já aconteceram na sua cabeça e para si são iguais às que aconteceram na vida. a mãe corre para o quarto-de-banho e começa a encher a banheira com água fria. tenta convencê-la a despir-se para entrar nela, mas a filha está febril de alegria e ri-se, gargalha perante a possibilidade de entrar para aquilo que, em seu entender, é uma piscina. vai direita ao quarto e arranca o pijama do corpo, depois põe na cabeça a touca de natação e faz aquecimento de pernas e coluna. entra no quarto-de-banho, diz, estou pronta e mergulha a cabeça e só a cabeça na água fria. a mãe que ficara atónita perante tão estranha figura, ralha-lhe o disparate e vai buscar um toalhão para lhe pôr por cima. volta então para o sofá e diz: a islândia é fabulosa. pena estar falida.