Número total de visualizações de página

segunda-feira, 9 de junho de 2014

Vou escrever no muro: gosto (de ti). Por extenso, sem expectativas. Limpo e doce. Junto apenas uma prescrição: transfusões de morangos pela boca; eficaz na anemia.
A luz que subverte a escuridão; revela cores.
Verbalizo: A m o r. E tudo amornece. 
Cá dentro abre-se uma toranja. Vitaminas contra as doenças do frio.
A m o r. 
Fingir que se dorme ao colo do pai durante o Inverno. Permanecer amada.
Derreto-me. 
Tenho sempre cinco anos; apesar de tudo. 
Fiquei naquele momento, 
antes de aprender a ler. 
É preciso verbalizar muitas vezes: 
Amor
Amor
Amor.
E tratá-lo não como palavra, mas sintaxe.
Não dês músculo. Revende esse órgão.
Dá uma boa maquia. Aqui ou no estrangeiro de terceiro mundo.
No buraco que resta - minibar de poucas estrelas - há água das pedras e limão. Podes comprá-la. E bebê-la. Aproveita enquanto está fresca. 
E se tiveres uma indigestão e caíres morto, que se foda. 
Um corpo sem aquilo que vendeste
é só um caixote que tomba.

Deita-te sobre a barriga, as mamas acabam por adormecer.