Número total de visualizações de página

sábado, 17 de abril de 2010



aqui e agora
não há palavras que marquem o silêncio
nem a memória lembra quanto vale um minuto
sou um despertador electrónico
na casa de uma velha
tic tac tic tac
e tiro oxigénio da boca
salivo o dia
besunto-o de cuspo
o hoje é um bolo convertido a espaço
olho para o suor da minha blusa
como um ampulheta
o cansaço escorre das axilas
só o meu corpo marca a ruga
aqui e agora
sou um relógio aborrecido com o amor
só o fim é urgente
e o olhar troca-se devagarinho