Número total de visualizações de página

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

martelar os dedos


Vi ontem, o filme do jovem realizador norte-americano, Afterschool. Magnífico. Com uma linguagem visual apuradísima e forte noção do tempo das cenas, o realizador/autor Antonio Campos, mergulha-nos na realidade contemporânea da arca-frigorífica.

O filme explora a problemática do real. Cresci a ver filmes no cinema e na tv e a deixar-me influenciar por eles. Assistir ao Rocky IV e sair de lá a tentar lutar com os amigos e colegas era normal. Assistir a filmes românticos e tentar encontrar rapidamente um alvo depositário desses pensamentos amorosos, fazia parte do periodo da nossa vida onde as hormonas saltitam livres. E tudo tinha uma enorme intensidade, porque a ficção excitava-nos. A esta geração não lhes basta os filmes, a dose de realidade exigida tem de ser superior. Esta geração (digo esta, porque já não é a minha, não tenho qualquer sentido moral sobre isso), procura nos mini-filmes do youtube a Realidade. Já nem a pornografia os excita particularmente, tem de ser uma pornografia que pareça real. E infelizmente, os espancamentos parecem sempre mais reais que o amor. É assustador pensar que esta malta anda (como disse o meu companheiro) "à procura da realidade na virtualidade".

As buscas dos vídeos no youtube, vão desde gatinhos a cair do sofá ao enforcamento de Saddam Hussein, a premissa é que seja "real".

A Internet, é sem dúvida, uma excelente caixa de ferramentas, mas cuidado com os martelos. Em pleno século XXI, não percebemos ainda que martelar um dedo aleija?